• Dr. Guilherme D`Andréa Saba Arruda

Estudo: IAMI

ESC 2021: Comentário sobre o Estudo IAMI.


O estudo apresentado no ESC 2021 atualiza os dados sobre a vacinação após infarto do miocárdio. O objetivo foi demonstrar a segurança e eficácia da vacinação de influenza entre os pacientes com infarto recente ou alto risco de doença coronariana.


O desenho do estudo foi a randomização 1:1 de pacientes com diagnóstico de infarto recente ou angioplastia coronariana, de maneira duplo-cega para receber a vacina de influenza (n=1272) ou placebo (solução salina- n=1260). O estudo foi conduzido em 8 países. A medicação era administrada dentro de 72 horas após angioplastia. A duração do seguimento foi de 12 meses com uma medida de idade de 60 anos. A porcentagem de mulheres foi de 18,2%. Os critérios de inclusão foram síndrome coronariana com supra e sem supra do segmento ST. Os critérios de exclusão são alergia a ovo, estado infeccioso e imunossupressão. Outros dados relevantes: 35,5% de tabagistas; 54,3% de pacientes com infarto com supra de ST; 45,2% de pacientes com síndrome sem supra de ST e 0,3% de doença coronária estável.


Os principais resultados em relação ao desfecho primário composto de morte por todas as causas, infarto do miocárdio ou trombose de stent para grupo vacinação vs. Placebo foi de 5,3% vs. 7,2% (IC 0,52-0,99, p=0,04). O desfecho secundário pra grupo vacina vs. Placebo foi:


Morte por todas as causas: 2,9% vs. 4,9% (p=0,01)

Morte cardiovascular 2,7% vs. 4,5% (p=0,014)

Infarto do miocárdio: 2,0% vs. 2,4% (p=0,57)


Os achados deste ensaio trazem que a vacinação contra influenza dentro de 72 horas de angiografia / ICP / hospitalização entre pacientes com IM recente ou doença cardíaca coronária de alto risco resultou em um efeito benéfico nos resultados em desfechos cardiovasculares (CV) em 12 meses em comparação com o placebo, incluindo um risco menor de mortalidade por todas as causas e (CV). É importante notar que o estudo foi encerrado prematuramente devido à pandemia COVID-19 com aproximadamente 60% da inscrição planejada. Além disso, aproximadamente 13% passaram do braço do placebo para o braço da vacinação durante o acompanhamento. Ambos os fatores teriam aumentado o viés para um resultado para nulo, destacando ainda mais os resultados.


Esses achados são consistentes com estudos prévios que mostram efeitos positivos da vacinação contra influenza entre pacientes com doença cardíaca coronária. Os autores discutem que o mecanismo subjacente a esses achados pode ser devido a possíveis efeitos antiinflamatórios da vacinação ou, também, relacionados com a prevenção da infecção aguda por influenza, que podem desencadear eventos CV. Um dado relevante é que as taxas de infarto não foram diferentes entre os dois braços, embora a morte CV tenha sido menor com a vacinação. Os resultados deste estudo apoiam a vacinação hospitalar para influenza após infarto para prevenir todas as causas e morte CV e provavelmente influenciarão as diretrizes futuras sobre este importante tema.


Referências Bibliográficas:

Frøbert O, Götberg M, Erlinge D, et al. Influenza Vaccination After Myocardial Infarction: A Randomized, Double-Blind, Placebo-Controlled, Multicenter Trial. Circulation 2021;Aug 30:[Epub ahead of print].



Dr. Guilherme D`Andréa Saba Arruda

Médico Coordenador da Cardiologia Rede D`Or Regional São Paulo

5 visualizações

Posts Relacionados

Ver tudo